Um parágrafo com LIBERDADE dentro

O pássaro da liberdade – Clarice Lispector

Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
Saborear, enfim,
O pão da minha fome.
— Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome.

Miguel Torga

Hoje, numa aula do 11º ano, pedi que, em alguns minutos,
os alunos escrevessem um curto parágrafo
sobre a Liberdade.
A sua escrita e leitura foram uma feliz e real celebração do 25 de Abril.

Um beijinho, queridos alunos!

Eis alguns parágrafos que os rapazes e raparigas escreveram – em liberdade. Felizmente!

Ontem não fomos ao Facebook… Fomos procurar uma realidade passada, relativamente recente até. Percebemos como era viver antes do 25 de Abril ou, deveremos dizer, sobreviver. Fomos confrontadas com expressões como PIDE, opressão, tortura, falta de liberdade de expressão, lápis azul, colónias portuguesas, desigualdade de géneros e pobreza. Percebemos, mas não sentimos… Porque, graças à luta de outros, hoje podemos dizer que somos livres! Alegramo-nos em dizer que podemos reunir-nos com os nossos amigos, sem medo e sem restrições de horário pelos nossos pais… É tão bom partilhar com o mundo a nossa opinião, independentemente se vai ou não ao encontro de entidades “superiores”. É tão bom ser mulher não sendo dependente de um homem e servindo sobretudo para a realização das tarefas domésticas. Agora pensamos e agradecemos todos os dias a variedade de comida, de tecnologia, de oportunidades de educação ao nosso dispor. No final da página, na Internet, lia-se : ” Somos livres, somos felizes, somos sonho, somos expressão, somos NÓS. Obrigada, 25 de Abril!! “

Rita Carvalho e Liliana Lopes, 11º 3

Liberdade… O que seria o ser humano sem ela? Um prisioneiro? Um pássaro limitado pelas quatro grades de uma gaiola?
Portugueses heróis… Acabaram com o tempo no qual a ditadura reinava. Sobreviveram! Não somos mais súbditos, não estamos mais encarcerados. Agora respiramos, agora vivemos. Agora, sim, somos livres! A opressão deu lugar à opinião. O medo esboçou o sorriso. Será isto apenas uma fase de um ciclo? Esperemos que não!

Daniela Figueiredo, 11º 3

“Vivemos num mundo em que, teoricamente, a liberdade está bem definida, mas na prática não é isso que presenciamos. Podemos dizer que somos livres quando existem pessoas de etnias ditas superiores que invadem a cultura de outras? Ou quando predominam as pessoas homofóbicas? Nos dias que correm, liberdade resume-se a isto: a não nos podermos expressar sem nos comentarem, a não nos podermos relacionar com pessoas iguais a nós diferindo apenas a sua cor, religião ou orientação sexual. Para nós, a liberdade não toma este significado, pois o importante é o respeito e compreensão que existe para com o outro. Demorámos tanto a consegui-la, por que não a agarrar, sabendo como a aproveitar?”

Ana Rita Norinho, Bruno Martins e Mariana Ferreira, 11º3

 “Liberdade, L de luta, I de independência, B de beleza, E de espingarda, R de revolução, D de ditadura, A de angústia, D de dor e E de eleger. Estas são algumas palavras que nos vêm à mente quando pensamos em liberdade ou na sua ausência. Com a conquista do 25 de Abril, alcançou-se liberdade, maior igualdade, mas, numa visão geral, aquela não é igual para todos. Enquanto uns usufruem daquela em excesso, outros estão privados dela. Nunca te esqueças de que a tua liberdade termina quando começa a do outro!”

Inês Magano e Raquel Loureiro, 11°3

Teriam os Capitães de Abril a consciência da liberdade que criaram? Do quanto mudaram o futuro do país? Um dos maiores impactos da Revolução dos Cravos foi a liberdade de as pessoas se poderem expressar, sentir e sonhar. Para nós, que sempre vivemos no pós 25 de Abril, é difícil imaginar uma vida em que não pudéssemos ser nós próprios; sabendo que a liberdade implica respeito. Desafiamos-te a viver um dia sem a liberdade com que nascente!

Daniela Castro e Rita Gonçalves, 11º 3

Os jovens de hoje em dia não valorizam a sua liberdade, pois não têm a noção de como é viver sem ela. Pelo contrário, fazem um mau usufruto da mesma, visto que desrespeitam os outros, usando como desculpa o facto de possuírem liberdade de expressão. Devíamos pensar duas vezes antes de agir e lembrarmo-nos daqueles que a conquistaram. É inacreditável a forma como o ser humano destrói aquilo por que tanto lutou. Será justo desperdiçarmos de tal forma a nossa liberdade, enquanto outros tentam ganhá-la com tanto esforço?

Helena Gomes e Catarina Carvalho, 11º 3

Consegues imaginar o mundo sem liberdade?
Se tal como nós respondeste que não, é porque és um dos felizardos que nasceu no berço de uma sociedade livre. Na nossa opinião, uma das mais puras formas de liberdade é a de expressão. Poder demonstrar o que sentimos, pensamos e o que queremos foi uma grande conquista! A possibilidade de seguir outros caminhos que não aqueles que nos eram impostos é uma característica da sociedade de hoje em dia, que devíamos valorizar mais. A liberdade é como a água: essencial à vida!

Sofia Silva e Filipa Brás, 11º 3

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s